Como não Cair na Relação Fusional (IMPERDÍVEL)

Como não Cair na Relação Fusional (IMPERDÍVEL)
Avalie esse artigo

Saber como colocar limites e preservar o seu espaço pessoal é essencial para o bom funcionamento do casal. No início do relacionamento, tudo parece perfeito. Nós vemos sinais que confirmam que o outro nos completa, que ele é nosso grande amor. Mas se essa situação continuar, pode se tornar perigosa e acabar destruindo o casal. Seu parceiro fica abafado e não lhe deixa o espaço de intimidade e descanso que você precisa. E se a princípio você gostou desse comportamento, é impossível suportá-lo a longo prazo.

De fato, quando entramos nessa dinâmica de culpa e obrigação, nossa metade perde valor aos nossos olhos, porque ela é esquecida no relacionamento. Sem sua dose de admiração e respeito, o casal está desequilibrado. Mas nem tudo está perdido. Comunicando-se corretamente e tendo em mente os bons sentimentos que nos impulsionam, podemos ter sucesso em restaurar um equilíbrio benéfico:

Etapa 1: identificar o problema

A pessoa em demanda, que provavelmente está tentando preencher uma falta de afeto ou insatisfação pessoal, age inconscientemente. É essencial ajudá-lo a identificar a raiz do problema e empurrá-lo para fazer algum trabalho em si mesmo. O casal é composto por duas pessoas independentes, e uma relação fusional é impossível a longo prazo. Para preservar essa autonomia, devemos discutir os limites para não atravessar, tudo sem julgar o outro, sem acusá-lo e tentando entender seus sentimentos.

Etapa 2: não desista

Nós amamos uma pessoa por quem ele é, por sua personalidade, suas qualidades e seus defeitos. Não tenha medo de se afirmar na frente de um parceiro em demanda, que muitas vezes exige tanto amor e atenção como ele dá, apesar de nossas reservas. Não ceder aos pedidos e à culpa pode levar a um debate saudável sobre o que cada pessoa espera do casal e, assim, redefinir o espaço de todos.

Etapa 3: construa você mesmo

Ter pontos em comum é bom, mas ter diferenças é ainda melhor. Isso significa que a outra pessoa tem coisas para nos ensinar e que a troca dentro do casal sempre será tão rica ao longo dos anos. Assim, é essencial que cada indivíduo preserve o tempo para si mesmo, para sair com seus amigos, para praticar um esporte ou uma atividade que ele gosta e que, assim, ele desenvolve suas qualidades pessoais. Ao afirmar suas diferenças, estimula o casal.

Não rolou? A melhor maneira de terminar um relacionamento

Como dizer ao nosso parceiro que ele não tem mais um lugar em nossa vida, sem machucá-lo demais? Estamos mais interessados ​​em saber como podemos encontrar um novo parceiro do que na melhor maneira de deixá-lo.

Quando sentimos que o relacionamento não pode continuar, alguns ruminam, hesitam, esperando o “momento certo” para anunciar sua decisão. Se temos tantos problemas para agir, é por causa do medo de machucar um ao outro. Não somos cruéis, e a ideia de prejudicar uma pessoa por quem temos ternura, mesmo que não haja mais amor, é difícil.

Esse sentimento é o motivo de nossa falta de jeito. A essência do sentimentalismo é querer ser amada, mesmo por aqueles que não queremos em nossas vidas, é um desejo narcisista de querer receber o amor do outro sem dar nada em troca. Devemos, portanto, assumir que a gentileza não tem lugar em um intervalo, porque só prolonga a tortura da outra pessoa, que pode ver o amor, então a esperança.

Sem desculpas

Ao explicar claramente que o relacionamento acabou e cortar qualquer ideia de voltar, estamos ajudando nosso (ex) parceiro a virar a página com mais facilidade. A verdadeira bondade é aceitar que ele nos odeia e não desperdiçar seu tempo. Nós não servimos ao outro, dando-lhe a ilusão de que o casal ainda dura juntos por semanas, até meses, quando o relacionamento acabou para nós.

Várias razões nos fazem hesitar. Pensamos nos feriados juntos, no fim de semana com os amigos planejados por muito tempo, no casamento que íamos e no efeito dessa separação em nosso entorno. Mas nenhuma razão deve nos impedir de anunciar as notícias o mais rápido possível. Além disso, não há nada de errado com a decidir que uma pessoa é mais nós. Há algo de errado com estragando pedaços vida dessa pessoa por causa de uma hesitação sentimental.

Como a música nos ajuda a curar

A música teria a mesma “forma” das emoções. É por essa razão que ouvir uma música triste nos ajuda a colocar palavras em nossos sentimentos.

Evoluir para a música

A música triste intensifica os sentimentos de desespero, mas nos ajuda a seguir em frente porque é mais concreto do que os nossos sentimentos e, acima de tudo, a música tem um fim. Podemos ouvir a mesma música de novo e de novo, mas ela sempre terá um começo, um meio e um fim. Segundo o especialista, essa estrutura nos levou a reduzir gradualmente a intensidade de nossa tristeza. Entre outras coisas, se o cantor contar a mesma dor que a nossa, isso significa que não somos os únicos a sofrer.

O ponto principal nesse processo, é manter alguma continuidade no tipo de música que você ouve. Quando o processo de cura começa, o tipo de música ouvida deve evoluir.

Se não for esse o caso, o risco é permanecer preso em uma fase de luto sem poder escapar. Música feliz e positiva ajuda a elevar o moral. Uma canção nostálgica que nos lembra os “bons velhos tempos” antes do relacionamento também pode nos ajudar a conectar esses dois períodos. Felizmente, há música suficiente para criar um pano de fundo para cada uma de nossas emoções.

Clique Aqui para Deixar um Comentário Abaixo 0 comentários

Deixe uma Resposta: