Como sobreviver a dor de uma perda

Como sobreviver a dor de uma perda
Avalie esse artigo

Rios de lágrimas até soluçar, atacar a geladeira ou fazer greve de fome mesmo sem querer, filmes água com açúcar, ver e rever as cartas, fotos e qualquer tipo de lembrança boa que faça você se auto-torturar e chorar ainda mais. Reações típicas de um pé na bunda. Mas você já parou para pensar que existe vida pós-término de namoro ou casamento?

Qualquer fim de relacionamento deixa suas marcas e cicatrizes, boas ou ruins, mas que sempre nos fazem lembrar. Só que a vida não para e precisamos aprender a lidar e superar isso.
O sofrimento experimentado por uma separação é tão doloroso que pode ser comparado ao do luto.

A forma como a pessoa entrou no relacionamento também determina a extensão das emoções que vêm à tona no rompimento: quem procura sua cara-metade, sua alma gêmea, quem é emocionalmente dependente do amor e da atenção do outro sofrerá a separação de forma muito mais dolorosa, com sensações de desesperança, desânimo e desvalor mais profundos do que quem ama e se dedica ao parceiro, mas mantém suas individualidade (inclusive financeira) e identidade preservadas.

Ver Também: Como se livrar de um relacionamento sem futuro

Para superar a fase dolorosa e difícil que se segue ao fim de uma relação afetiva, é fundamental contar com uma rede de apoio, formada por familiares e amigos; ter uma atividade, como um trabalho, mesmo voluntário, um hobby, voltar a estudar, fazer cursos, enfim, ampliar os interesses; não ficar em casa, sentindo pena de si mesmo, mas retomar amizades, aceitar convites para sair e viajar; cuidar da autoestima, mudar o guarda-roupa e o visual, limpar gavetas e armários, decorar a casa. Em outras palavras, reapaixonar-se pela possibilidade de ser feliz novamente.

É importante, principalmente, resistir às tentações mais comuns e que provocam muita angústia e alimentam os pensamentos negativos: seguir o ex nas redes sociais, buscar notícias através de conhecidos em comum e até forçar uma reaproximação.

A orientação é adotar um estilo de vida saudável, praticando exercícios físicos e evitando abuso de álcool e remédios, como os antidepressivos, que, se usados de maneira inapropriada, servem apenas para amortecer temporariamente a tristeza; e seguir uma alimentação saudável, não descontando a frustração na comida.

É preciso ficar atento para os primeiros sinais de que a tristeza esteja se tornando depressão: a pessoa manifesta pessimismo exagerado e injustificado em relação ao futuro e à capacidade de superar a dor, não aceitando os argumentos contrários porque se sente vazia e impotente diante da situação, como se tivesse não apenas perdido o rumo, mas também o controle de si mesma.

O sofrimento necessita de um tempo para ser assimilado, entendido e vencido, para que o indivíduo se reconstrua emocional e psicologicamente, mas não deve ser tornar eterno.

Qualquer situação de crise existencial pode e deve ser usada para se repensar a vida, como uma oportunidade para se conhecer melhor, refletir sobre o que aconteceu, festejar os acertos e não repetir os erros.

Tudo isto faz parte de um processo natural, que varia de um indivíduo para outro. Mas se a pessoa está muito fragilizada, presa num ciclo de raiva e amargura desmedidas, e sente dificuldade de juntar os cacos, julga-se culpada pelo que aconteceu e incapaz de seguir em frente, é preciso procurar ajuda especializada, e a psicoterapia é o caminho mais indicado.

Como sobreviver ao fim de um compromisso?

Antes de tudo, jamais se sinta culpada pelo fim do seu relacionamento. Para um compromisso progredir e dar certo, não depende apenas de você e sim das duas pessoas envolvidas. Se acabar a sintonia, se não existir a vontade mútua de crescer e aprender juntos, o melhor a fazer é terminar. Eu sempre tento lembrar do ditado “o que tiver que ser será”, mas enquanto não acontece, precisamos lembrar antes do tal “bola pra frente”.

Depois de se desidratar de tanto chorar, agora é hora de pensar em você!

Às vezes, quando você ama alguém, acaba esquecendo a sua vida e passa a viver a vida de outra pessoa. E depois de quebrar a cara, o melhor a fazer é amar… você! Se cuidar, se distrair com os amigos, malhar, enfim, investir em si mesma! Vão ter dias em que você irá se sentir forte e outros onde as neuras irão estar a todo vapor, fazendo você pensar besteiras até cair em lágrimas novamente. Eu garanto, isso é normal.

É natural ter momentos de tristeza, mas não se culpe. Chorar é a melhor maneira de “limpar” a alma, colocar para fora tudo que lhe incomoda, deixando você mais forte a cada dia que passa.

Procure as amigas confiáveis para desabafar. Os amigos verdadeiros vão te apoiar em qualquer momento e situação! Infelizmente, o único remédio para a dor causada por um fim de relacionamento é o tempo. Ele, aos poucos vai amenizar a dor e a mágoa do pé na bunda que fica em seu coração.

Nunca esqueça que o momento é agora e nossa vida é uma só! Temos muito que fazer, crescer e aprender. Ganhar e perder faz parte do ciclo da vida e quanto mais crescemos, mais aprendemos que em primeiro lugar devemos amar a nós mesmas antes de qualquer relacionamento! Mas fique tranquila, pode demorar um pouco, mas, cedo ou tarde o sol volta a brilhar em sua vida, por mais que não acredite. Logo, você voltará a sorrir novamente, com um coração mais leve e novo para amar novamente!

O que fazer para superar?

É quando você está passando pelo momento de superação do término de uma relação que deve aproveitar para colocar em dia toda a sua vida. Muitas pessoas, e não só as mulheres, ao contrário do que se pensa, como também os homens, quando estão namorando, se dedicam em demasia à relação e se esquecem de fazer as coisas que gostam. Isso é o motivo, aliás, de alguns finais de relacionamentos, pois a pessoa acha que porque está namorando só deve se dedicar as atividades que o outro também gosta ou quer fazer.

No entanto, em uma relação saudável, cada parte tem a sua vida própria, além de dividirem momentos em comum. Isso não só não saturaa relação como também é uma atitude que permite ao casal não pensar coisas do tipo “eu deixei de fazer tudo por ela (ou por ele) e agora me dá o fora”.

Uma nova perspectiva oferece relações mais livres e, por consequência, mais felizes. No entanto, não é isso que vem ao caso agora, se você errou nesse ponto, poderá agir diferente em uma próxima chance, com outra mulher, ou mesmo, com a mesma, se no futuro vocês se reencontrarem.

Porém, além disso, você deve aproveitar esse momento de superação para avaliar quais erros foram cometidos no decorrer do relacionamento. Não que você deva ficar se martirizando, mas usar isso como ensinamento, para que o mesmo não venha ocorrer nos seus próximos envolvimentos com outras mulheres.

Outra forma de você superar término de namoro é aproveitando esse momento para fazer o que estava planejando, mas ainda não tinha tido coragem para realizar, tempo ou disposição. Isso pode se referir a uma viagem longa, começar um curso, aprender um idioma, começar uma atividade física, ou mesmo, cuidar de si mesmo, e comprar uma camisa nova ou mudar o corte do cabelo.

Clique Aqui para Deixar um Comentário Abaixo 0 comentários

Deixe uma Resposta: