Como superar uma separação?

Como superar uma separação?
Avalie esse artigo

Alguns relacionamentos chegam ao fim, e esse período de separação pode ser muito doloroso para superar. Quaisquer que sejam as circunstâncias, se você está lidando com uma separação, este é provavelmente um período muito difícil em sua vida.

Não importa qual seja a causa, se seu casamento falhar, é provável que você sinta toda uma série de emoções intensas: depressão, tristeza, raiva, dor, ansiedade, medo de um futuro incerto, solidão, confusão sobre as muitas decisões que você deve tomar e uma sensação de fracasso em seus planos perdidos e sonhos.

A maneira como você escolhe lidar com uma separação é muito importante por causa do efeito que terá sobre o resto de sua vida, e também na vida daqueles que estão ao seu redor, como filhos que foram fruto dessa relação.  Se você não aprender a lidar com a dor, e se tornar amarga, logo ficará infeliz por muito tempo.

Solte sua amargura e raiva. Tente olhar para a separação como uma oportunidade para examinar suas habilidades, seus recursos e seus sonhos, e para fazer as mudanças necessárias para uma vida nova, plena e gratificante.

Ver também: Esquecendo um grande amor.

Meu relacionamento acabou e agora?

Para a maioria das pessoas, é um choque quando ocorre uma separação. Mesmo que você já estava vendo por algum tempo que as coisas não estavam funcionando, a decisão de por fim a relação sempre será difícil, e requer muita cautela.

Neste período, é comum encontrar pessoas ou pensamentos podem sua mente com perguntas sobre reconciliação ou sobre responsabilidades e recriminações.

Mas, não deixe se abater. Você e seu parceiro sabem o motivo de terem chegado até está decisão. Se vocês buscaram todas as alternativas para fazer dar certo, e mesmo assim não foi possível mudar a situação, não se sinta culpada pelo fim.

Um término nem sempre representa um fracasso, apesar de ser doloroso, muitas vezes será a oportunidade para que ambos possam ser realmente feliz com outra pessoa.

Não adianta forçar uma relação que não iria dar futuro, isso seria ainda mais triste, tentar fazer dar certo algo que não tinha mais amor, respeito e admiração. Às vezes, o fim é o melhor caminho.

Compreender por que o seu relacionamento falhou é o primeiro passo para a recuperação. Muitas pessoas são interrogadas com questões:  de quem é a culpa? O que eu fiz errado? Como eles podem fazer isso comigo?

Perguntar-se estas questões é compreensível, mas uma abordagem mais construtiva é se concentrar no relacionamento, e não na responsabilidade individual. Pode ser mais útil pensar sobre esse tipo de perguntas:

Como foram as coisas quando nos conhecemos?

O que nos atraiu um para o outro?

O que fez o nosso relacionamento dar certo?

Como mudamos?

Quais fatores externos influenciaram nosso relacionamento?

O que nos impediu de superar nossas diferenças?

Embora as respostas possam ser perturbadoras, quanto mais você buscar entender como chegaram ao término, mais fácil será deixar e seguir em frente.

Durante este tempo, você experimentará muitas emoções, incluindo raiva, tristeza, culpa, desespero e confusão. Porém, será apenas uma fase que passará para que possa viver dias mais alegres e leves.

Por mais doloroso que possa parecer, você deve de desapegar de sua bagagem emocional com seu casamento. A solidão é algo que muitas pessoas temem, mas isso não deve ser uma razão para sentir que você tomou a decisão errada. Pode ser que no início você se sinta apavorada, mas pense positivamente.

Estar sozinha pode ser uma chance de aprender novas habilidades. O ideal é ter em mente o que poderá começar a fazer agora, defina um objetivo que a cada três meses você vai tentar algo novo.

É melhor ficar sozinha do que estar um relacionamento ruim. Ficar em uma relação que não te faz bem pode machucar ainda mais do que uma separação.

Como seguir em frente após a separação?

  • Fale com alguém em quem confia.
  • Mantenha uma rotina familiar para você e para seus filhos. É muito importante ter uma sensação de estabilidade em um momento de mudança tão importante e dolorosa.
  • Evite isolar-se das pessoas.
  • Crie seu grupo de suporte. Velhos amigos podem se tornar grandes auxiliadores em batalhas de divórcio.
  • Cuide da sua saúde e da saúde dos seus filhos.
  • Mantenha uma alimentação equilibrada. Não deixe que este momento afete a sua alimentação.
  • Tente se exercitar para aliviar o estresse.
  • Ore, medite ou pratique a resposta de relaxamento.
  • Aprenda alguns métodos para lidar com o estresse deste momento. Há muitos bons livros que você pode ler sobre lidar com a separação, e você também pode encontrar algumas informações sobre técnicas de relaxamento úteis para não deixar que a raiva te domine.
  • Evite tomar decisões importantes até que sua vida esteja mais resolvida. Algumas decisões devem ser tomadas rapidamente, como habitação e assuntos escolares para as crianças, e, se você não trabalha, tente encontrar um emprego. No entanto, você pode adiar muitas decisões até “a poeira baixar”.
  • Tenha em mente o velho ditado, “Um dia de cada vez”. Não tente apressar nada. Permita-se o tempo que precisa para se curar. Aceite que estes sentimentos diminuirão ao longo do tempo.
  • Talvez você não seja capaz de ser tão produtivo no trabalho ou cuidar dos outros exatamente da maneira que você está acostumado por um tempo. Por isso, se dê um tempo para curar e reagrupar.

Como falar com as crianças?

Se você tem filhos, procure conversar com eles sobre o assunto. Explique que o fim da relação não envolve o amor que as duas partes sentem por eles. Tente manter as rotinas diárias e semanais dos seus filhos.

Agora que seus filhos podem compartilhar o tempo com os dois pais separadamente, certifique-se de concordar com antecedência sobre as horas de dormir, e outras decisões cotidianas, bem como quaisquer punições.

Não envolva seus filhos no conflito. Evite discutir com ou falar negativamente sobre o ex parceiro na frente dos seus filhos. Não os use como espiões ou mensageiros, ou faça-os tomar partido.

Clique Aqui para Deixar um Comentário Abaixo 0 comentários

Deixe uma Resposta: