Confira 7 velhos hábitos de namoro de décadas atrás que precisam voltar (IMPERDÍVEL)

Confira 7 velhos hábitos de namoro de décadas atrás que precisam voltar (IMPERDÍVEL)
Avalie esse artigo

Falar sobre relacionamentos não é uma atividade simples. Não é por acaso que existem áreas da psicologia e da ciência dedicadas justamente a compreender as relações humanas, inclusive as amorosas.

Cada pessoa é única, mas normalmente ela age de acordo com o contexto em que foi criada. Há uma interferência do seu ambiente sociocultural e da educação que ela recebeu. É inegável tal tipo de influência.

Nos dias de hoje, a título de exemplo, as relações estão cada vez mais rápidas e superficiais. O autor Zygmunt Bauman tem feito muito sucesso ao se dedicar à essa temática no seu livro Amor Líquido, onde debate a fragilidade dos laços amorosos no mundo contemporâneo.

As coisas mudaram e, muitas delas, para melhor. Mas há um certo saudosismo com relação à certas posturas e costumes de décadas anteriores.

Não há nada demais em refletir sobre como as coisas estão e como elas foram anteriormente. Levando em consideração a data e a localização geográfica/cultural de cada sociedade, podemos estabelecer um panorama sobre como as pessoas se comportavam.

Sempre tomando as devidas precauções para não julgar o passado com os olhos do presente, é possível retirar alguns ensinamentos de cada cenário histórico. E é justamente sobre alguns desses padrões antigos que vamos debater hoje.

Inspire-se com esses velhos hábitos:

 

1. Era comum o costume de mandar cartas de amor

 

Estamos na era da comunicação instantânea, fruto de uma tecnologia digital que se aprimora a cada ano. Através dela, inclusive, podemos trocar constantes mensagens amorosas.

Contudo, nada se compara à ansiedade de aguardar o recebimento de uma carta da pessoa amada. Para se ter uma ideia, um dos costumes era o de perfumar o papel para que, além de ler lindas palavras de amor, também fosse possível sentir o cheirinho de quem se gosta. É uma pena que esse hábito tenha deixado de existir.

 

2. A cumplicidade e a monogamia eram mais valorizadas

 

O mais comum, atualmente, é a pegação. Isso significa uma troca constante de parceiros ou até mesmo o poliamor – seja ele pré acordado ou não.

No geral, as pessoas eram mais monogâmicas nas décadas passadas. Havia um maior comprometimento com o seu respectivo amor e total cumplicidade a ele.

 

3. Certos rituais de intimidade precisavam ser respeitados

 

Nos dias de hoje, são comuns relacionamentos pautados somente no prazer sexual e ocasionais. Isso não quer dizer que possamos encarar tal comportamento como uma novidade, pois ele sempre existiu.

Todavia, quando um namoro era levado a sério anteriormente, era comum seguir uma espécie de ritual de conquista de intimidade. Havia, certamente, uma pressão muito maior sobre a mulher do que sobre o homem. Elas eram as mais vigiadas e julgadas caso não respeitassem a tradição.

Na realidade, até hoje ainda enfrentamos certos preconceitos fruto da sociedade machista. Homens que ficam com várias mulheres são considerados “vencedores”, já as mulheres têm a sua reputação manchada quando fazem o mesmo.

O que podemos levar de positivo do comportamento antigo é a paciência. O primeiro toque, o primeiro passeio de mãos dadas, o primeiro beijo e, especialmente, a primeira noite de amor, eram passos mais valorizados e memoráveis.

 

4. A traição era vista com maus olhos

 

Outra coisa que sempre existiu foi a traição. A infidelidade, inclusive, era relevada por algumas mulheres pois não lhes restava outra opção. Ainda bem que isso mudou.

De qualquer maneira, a chegada de aplicativos de relacionamento e das redes sociais parece ter expandido os caminhos que levam à traição, tornando-a mais “fácil”. Conhecer novas pessoas e ter um caso extraconjugal é algo, infelizmente, corriqueiro nos dias atuais.

 

5. Os homens procuravam ser românticos e bem educados

 

Muito se discute sobre o papel do homem e da mulher na sociedade, ainda hoje. Elas estão cada vez mais independentes e autossuficientes, o que é ótimo.

Porém, o romantismo das relações não é algo que precisa se perder. Gentilezas como a de abrir a porta do carro ou de oferecer o casaco numa noite fria para uma mulher são bem vindas em qualquer época, não é verdade?

 

6. O amor se revelava com mais intensidade e não era descartável

 

Há quem critique o hábito de dizer “eu te amo” com tanta frequência que a frase parece até ter se equiparado a um “bom dia”. Expressa-se sentimentos nem sempre verdadeiros, rapidamente e logo em seguida ele já deixa de fazer sentido.

Nas décadas passadas, só se revelava o amor por alguém quando se tivesse total certeza de que a intenção era a de investir naquela relação. Desde o princípio, dar valor para a pessoa ao seu lado era sinal de que você queria, de fato, compartilhar uma vida junto com ela.

 

7. Quando as coisas não iam bem, as pessoas concertavam ao invés de jogar fora

 

Vamos fazer uma comparação do amor às coisas materiais. No nosso mundo contemporâneo, por vezes, vale mais a pena comprar um aparelho novo do que mandar o antigo para o conserto. Pois, além de o serviço custar mais caro, as coisas se tornam obsoletas em pouco tempo.

O problema é que muita gente tem feito isso com os seus relacionamentos também. Muitos preferem desistir e começar outra história do zero, ao invés de encarar as razões que resultaram naquele desentendimento ou frustração.

Nas gerações passadas, tanto as coisas quanto os relacionamentos eram “consertados” quando fosse necessário. A propósito, isso fazia com que as pessoas amadurecessem e aprendessem mais com os próprios erros.

Esse tipo de postura, sem sombra de dúvidas, merece a nossa atenção. Não que devamos persistir naquilo que não nos faz mais felizes. Mas não custa nada reavaliar o que não vai bem e tentar novamente de outra maneira antes de desistir, né?

 

E aí, qual foi o item que mais chamou a sua atenção? Que tipo de relacionamento você prefere e quais características estão melhores ou piores do que antigamente? Mande sua opinião nos comentários, nós ficaremos felizes em conhecer um pouco mais sobre você! Até a próxima, com mais dicas!

 

Clique Aqui para Deixar um Comentário Abaixo 0 comentários

Deixe uma Resposta: