É possível esquecer um amor? Oque devo fazer?

É possível esquecer um amor? Oque devo fazer?
Avalie esse artigo

Superar o fim de um relacionamento, principalmente se a decisão pelo fim não foi de acordo com sua vontade, não é uma tarefa das mais comuns.E em muitos casos, quanto mais você sente a necessidade de tirar alguém da cabeça, mais ainda as lembranças dos dias vividos juntos insiste em vir incomodar sua paz.

Isso ocorre, em parte, porque a pessoa toma atitudes sem pensar no que vem depois.Vale a pena usar esse processo de perda para olhar para si mesmo e se encontrar no mundo sem aquela pessoa.

É a hora certa de se conhecer melhor, analisar os defeitos e qualidades que você possui, buscar melhorias em si mesma, desvendar ou redescobrir o que tem o poder de te agradar ou não e, acima de tudo, valorizar-se.E, quando for pertinente, repense sobre o fim e, quem sabe, tire conhecimento com tudo o que aconteceu.

Ver também: 6 dicas para lidar com fim do namoro Saiba como lidar com o término de um relacionamento

A seguir, separamos algumas dicas de como tentar superar um amor que não deu certo:

Não tente curar a falta de alguém com uma nova paixão
A velha frase que diz que “um coração partido só se cura com outro amor” nem sempre é verídica. O ideal é superar o desfecho de um relacionamento sozinho, buscando reflexões sobre o que ocasionou o término.

Ao sentir vontade de começar um novo relacionamento, é importante que o fim deste tenha sido superado, para se entregar por inteiro à outra pessoa, para que não se magoe ela de fato. Investir tempo em programas diferentes, com amigos e em cuidar de você mesmaé que ajuda na superação de um amor.

Se nesse processo de superação aparecer uma outra pessoa, tudo acontece muito rápido, sem dúvida. Mas essa não é a melhor maneira para esquecer alguém. Pessoas que não conseguem ou não se aceitam estar sozinhos, dificilmente substituem o amorno coração com outras coisas e/ou pessoas.

A única maneira que acreditam que existe para ser felizes é se apoiar em outro alguém. E isso não é bacana, porque não se pode jogar nas mãos do outro a missão que ser feliz exige. A relação fica densa demais.

Não se transforme em “stalker”

Pesquisar notícias do “ex” por meio de amigos em comum ou ficar obcecado em tudo que faz nas redes sociais, são maneiras de estacionar a própria vida.Se acabou o relacionamento, busque olhar para frente e procure descobrir coisas novas.  É um tipo de comportamento muito normal quando se termina uma relação e continua a se sentir no controle dela, de certa forma.

Se transformar em “stalker” certamente é uma maneira avassaladora de dar continuidade ao que já não existe mais. Ao manter o hábito de ficar observado a rotina alheia, deixamos a própria vida em segundo plano, de lado. Aí é que nunca esquece mesmo, porque a pessoa age como se ainda tivesse alguma coisa forte com o outro.

Pare de alimentar a culpa pelo fim

A angústia e a frustração de ver os planos que foram feitos se desmoronarem, podem levar a uma forma de enxergar que não condiz com os acontecimentos. Não é difícil querer o papel de vítima (para chamar a atenção, para fazer com que o outro seja o vilão ou por pura birra).

É sempre bom ter cuidado para não se culpar demais e nem assumir a responsabilidade total pelo fim do relacionamento, afinal, um relacionamento é criado por duas pessoas que possuem defeitos e qualidades, são humanos.

O comportamento contraditório também pode ser ruim. Jogar a carga toda no outro só deixa a situação ainda pior. Se a pessoa não tem consciência dos próprios conflitos, da sua quantidade de culpa e o que ela fez para ajudar no fim, não consegue se desligar do passado.

“Você precisa se desligar dessa pessoa”, dizem as mãe, pais, irmãs, amigos e até a professora da faculdade. Mas mesmo assim, nem sempre procurar maneiras diferentes de se divertir ou fazer uma transformação após o fim (mudar as coisas de lugar ou o corte de cabelo, como exemplo) são soluções definitivas, justamente porque é feito no impulso.

Novos interesses são sempre boas alternativas, mas apenas se a pessoa estiver, de fato, a fim de depositar sua energia em novidades. Todo final de relação afetiva inclui um pequeno período de luto, e isso precisa ser vivenciado com calma!Acreditamos que tudo o que acontece do nada, não tem uma boa duração. É preciso pensar sobre o assunto e analisar o que realmente te agrada, para depois ir beber em outras nascentes.

Passe um tempo sem rever a pessoa

Se não existir filhos, é bom se afastar e quebrar o contato com a pessoa, para que ela vá se afastando e aparecendo com menos frequência em sua vida. Provavelmente, quanto maior for o afastamento, maiores as chances de se superar o fim.

Deixar de ouvir a voz ou ver o ‘ex’ vai fazendo com que a presença da pessoa também perca a graça. Muita gente coloca o controle no lugar do amor, e está errado.

A pessoa nem está mais tão afim, mas cria encontros casuais, que saber o que ta acontecendo, dá opinião em novos amores.Ao fazer isso, a vida não segue em frente, e o relacionamento que não existe mais, continua na mente.

Não finja sentir aquilo que não sente

Fazer de conta que não está nem ai com o rumo que os fatos tomaram, quando por dentro você se sente partido em pedacinhos, é uma atitude que não contribui em muita coisa. Mesmo que você passe isso adiante e as pessoas creiam em você, na sua firmeza, por dentro, o sofrimento só cresce.Colocá-los para fora ajuda a tirar da mente e do peito, assim como desabafar com os mais próximos. Isso tudo faz parte do processo do superação, de luto.

 

Clique Aqui para Deixar um Comentário Abaixo 0 comentários

Deixe uma Resposta: