Eu quero me Divorciar: Como você lida com Isso? (IMPERDÍVEL)

Eu quero me Divorciar: Como você lida com Isso? (IMPERDÍVEL)
Avalie esse artigo

Este artigo ajuda as pessoas que estão prestes a se divorciar. Porque, como você lida com isso?

Passo 1 – Saiba o que você está começando

Você provavelmente sabe que quer se separar do seu parceiro, caso contrário, você não leu este artigo. No entanto, não recomendamos que você tome decisões precipitadas, porque o divórcio é um evento irreversível. Isso terá muito impacto sobre você e seus filhos (se você tiver um). Você obviamente quer evitar lamentar seu divórcio.

Primeiro pergunte-se por que você quer se divorciar. O balde está lentamente cheio de emoções e frustrações, e esta é a última gota? Você está apaixonado por outra pessoa ou sente que não pode confiar em seu parceiro? Não importa o quão solitário você se sinta neste momento, saiba que quase todo casamento experimenta uma ou mais crises conjugais. Neste artigo, descrevemos em detalhes como você pode superar uma crise conjugal.

Então, se você é muito duvidoso, você pode primeiro tentar resolver os problemas de relacionamento. Possivelmente com a ajuda de um terapeuta de relacionamento. Se você tem certeza de que quer se divorciar, precisa iniciar o processo. Porque puxar um cavalo morto também não faz sentido.

Recolha de informação

O divórcio não é apenas um processo emocional, mas acima de tudo legal. É muito bom que você procure informações sobre como fazer isso. O divórcio pode ter várias consequências financeiras, por exemplo, na forma de: pensão alimentícia de parceiro, distribuição de efeitos domésticos, pensão alimentícia, quem recebe a casa, convênio dos pais, etc. Há muita coisa envolvida e isso pode ter consequências sobre como você vai se sustentar após o divórcio.

Passo 2 – Discuta com seu parceiro

Dizer que você quer sair do barco do casamento talvez seja o passo mais difícil em todo o processo de divórcio. Você provavelmente tem as palavras “eu quero me divorciar” apenas sobre seus lábios. A menos que seja uma decisão conjunta, isso tornaria muito mais fácil. Sempre conte as novidades na vida real, isso é tão respeitoso. Também tente manter seu pé em espera, mesmo que seu parceiro ofereça muita resistência.

Dependendo do motivo do divórcio e da opinião do seu parceiro, essa conversa pode se tornar bem difícil. Leve em consideração sentimentos de raiva, incompreensão, tristeza e culpa. Na verdade, ao romper um casamento, os mesmos princípios se aplicam ao encerrar um relacionamento: dedicar tempo para ouvir um ao outro, responder a perguntas não respondidas e fechar bem o casamento. Quanto melhor você conduzir a conversa, mais fácil será organizar o divórcio por acordo mútuo.

Pense nos acordos

É um pouco doloroso, mas a realidade: acordos sobre a casa, os filhos, finanças e arranjos mais administrativos. Quanto mais cedo você pensar sobre isso, maior a chance de você concordar um com o outro. Além disso, você economiza tempo (e dinheiro) com o advogado ou mediador do divórcio (consulte a etapa 3).

Etapa 3 – Ativar ajuda

Você não pode se divorciar sem a ajuda de um advogado ou um mediador de divórcio (mediador). Isso é necessário porque o divórcio prossegue pelos tribunais. Além disso, também é essencial para você. Quão harmoniosa foi a decisão de se divorciar, não é garantia para o futuro. Um gato no estreito faz saltos estranhos. Então é muito bom que exista uma pessoa objetiva que possa guiá-lo ao fazer acordos (financeiros).

O mediador do divórcio

Um mediador de divórcio (também chamado de ‘mediador’) está principalmente focado na harmonia, essa pessoa quer a situação para ambos de irem para o melhor. Com essa ajuda, o divórcio geralmente é bem tranquilo, sem grandes custos. Além disso, os acordos são feitos em consulta conjunta, para que haja uma boa chance de que eles sejam seguidos após o casamento.

Advogados

Com dois advogados, isso é um pouco diferente. Os advogados lutam pelos direitos de seus clientes, então as chances são de que você e seu futuro ex-parceiro serão diametralmente opostos. Muitas vezes o processo com advogados é muito mais rígido e mais caro. Na prática, isso geralmente significa que um dos parceiros está insatisfeito com o divórcio.

Passo 4 – Solicite o divórcio

Você declarou que quer se divorciar, seu parceiro está ciente e você tem a assistência certa de um advogado ou mediador. Então agora é hora de solicitar oficialmente o divórcio do tribunal. Isso geralmente é feito pelo mediador. Ele ou ela faz “um pedido de divórcio”. Essa solicitação também inclui um plano para pais, se você tiver filhos. Você pode ler mais sobre isso na etapa 5.

Passo 5 – Faça bons acordos

Uma grande parte de “como você lida com isso” consiste em marcar consultas. Primeiro de tudo, acordos sobre o conteúdo: a casa ocupada pelo dono, dívidas, poupança, empréstimos, o carro, um barco, casa de férias e outros bens domésticos. Em segundo lugar, acordos sobre pensão e cuidados com os filhos.

Para poder fazer uma distribuição igual, ajuda a elaborar uma lista. Aqui todos os bens são configurados, incluindo o valor. Então você vê exatamente o que vai ser distribuído sob a linha. Tenha em mente, por exemplo, que um carro não pode ser dividido em dois. Em outras palavras, um dos parceiros tem permissão para manter o carro e o outro paga metade do carro.

Concentre-se nas crianças

Sempre foque as crianças. Quanto menos estresse as crianças experimentarem através do divórcio, mais agradáveis ​​elas crescem. Um desagradável divórcio (por exemplo, uma separação por briga), ou muita briga entre os dois pais, dá às crianças a sensação de que precisam escolher um “lado”. Como resultado, podem surgir queixas psicológicas, que podem ocorrer mais tarde.

Faça bons acordos sobre o dever de cuidar dos filhos. Porque você se divorcia do seu parceiro, não dos seus filhos. Na verdade, a responsabilidade por seus filhos simplesmente continuará a existir. No entanto, não é evidente como esse cuidado será distribuído.

Muitos parceiros separados tomam um arranjo de co-parentalidade. Isso significa que as crianças estão com um dos pais uma semana, a semana seguinte com o outro. Ou que haja troca nos finais de semana. Para as crianças, seria melhor se ambos os pais vivessem juntos no bairro, de modo que não precisassem atravessar o país inteiro.

Muitos pais esquecem que, após o divórcio, só precisam tomar decisões sobre a criação. É bom antecipadamente discutir a criação das crianças, para que não surjam relações distorcidas. Você não quer que as crianças o vejam como “o pai que proíbe tudo”. Continuar a comunicar após a separação com seu ex-parceiro, para que as crianças não vão explorar a separação ( “Papai me disse para pedir o dinheiro que mamãe me disse para pedir esse dinheiro para você!”).

Passo 6 – Passo para a direita

O juiz é a única pessoa que pode dissolver o seu casamento. Depois de todos terem feito os acordos acima, essa etapa é apenas uma formalidade após um processo emocional e complexo. Às vezes você não concorda com certos acordos. Nesse caso, o juiz tem que tomar decisões. Você pode apelar contra esses acordos, mesmo que o processo de separação seja muito lento novamente.

Esperar pelo veredicto do juiz às vezes é um período muito turbulento. Muito descanso pode ser criado se as “provisões provisórias” forem submetidas. Fique aqui. Isso contém acordos provisórios sobre os cuidados com as crianças, onde os dois parceiros e filhos viverão, como eles são organizados com a manutenção, etc. Uma vez ratificado o divórcio, estas provisões expirarão e serão substituídas pelas nomeações feitas no julgamento oficial.

Etapa 7 – Oficialmente separado

Embora muitos assuntos oficiais já tenham sido organizados, você só está separado perante a lei se a sentença do tribunal estiver registrada nos registros de status civil. É a regra que a decisão do juiz está no registro dentro de 6 meses. Este é um papel importante para o advogado: se ele ou ela exceder esse período, a decisão não é mais válida e você ainda é casado no papel.

Clique Aqui para Deixar um Comentário Abaixo 0 comentários

Deixe uma Resposta: