O fim do relacionamento não deve ser o fim de sua autoestima.

O fim do relacionamento não deve ser o fim de sua autoestima.
Avalie esse artigo

Com o passar do tempo, sempre vemos o relacionamento em que estamos inserido como algo estável, nossos porto seguro. Até que ele acaba. Nem sempre é um mar de rosas, coberto de respeito e amor mútuo entre os dois quando não era apenas para ser.

Às vezes, é um fim conturbado, repleto de traições e de rejeições. Contudo, temos que saber o momento em que o relacionamento já não nos faz bem e dar um passo para trás. Claro que esse passo para trás vem acompanhado de várias instabilidades, não só em sua vida externa, mas principalmente em seu psicológico.

Ver também: Dicas para se livrar estupido e abusivo

Não permita que o fim de relacionamento destrua tudo aquilo que construiu por anos.

Como dito, todo fim de relacionamento é sempre difícil. Seja com amor ou não. Sempre tendemos a ver como o fim de um relacionamento, não como a abertura de novos caminhos, mas como uma tragédia que aconteceu porque você, mulher, não conseguiu mantê-lo.

Primeiro, o que acha de desmistificarmos isso? A mulher, devido ao machismo de cada dia, carrega uma parcela muito pesada em relacionamentos. Nem sempre percebemos, mas é muito fácil sentirmos que somos obrigadas a manter esse relacionamento, que é nosso dever fazer com que ele dê certo.

Não é. A nossa única obrigação em um relacionamento é amar e sentir esse amor de volta, é entender que somos especiais e merecedoras de respeito e atenção. Não pense no clichê de ser tratada como uma rainha pelo seu parceiro, mas de ser tratada como uma igual.

Claro que em cada relacionamento, há suas diferenças, porém é muito importante que entendamos a posição que devemos garantir nele. Entendido que o relacionamento deve ser um ambiente de afeto e respeito. Seguimos para o passo de por que ficar tão abalada com seu fim?

Pense bem, se você terminou o relacionamento por falta de tempo de ambos ou simplesmente pela rotina, talvez você deva dar um tempo a você. É disso que você precisava, certo? Um tempinho para você, para se estabelecer organizar a rotina, refazer suas metas.

O que acha de se jogar um pouquinho no trabalho? Já organizou seu guarda-roupa hoje? Faça coisas que você, agora, tem tempo. Coisas que te deixam feliz.

Está tudo acabado? Calma aí! Leia um pouco e entenda por quê você não deve deixar o relacionamento te destruir ainda mais.

Contudo, existem vários tipos de fim de relacionamento. Às vezes, vocês só não buscavam o mesmo fim. Ele te atrasava. E agora que você está sozinha, você acha que nunca vai conseguir outra pessoa. Vamos com calma, ok?

Se você já assistiu Friends (caso não tenha, indico fortemente essa série!), vai ver que Rachel Green é uma ótima personagem de inspiração. Seu namorado, na época, Ross estava de certa forma atrapalhando seu trabalho e o que ela faz?

Dá um tempo com ele – tudo bem que tem várias reviravoltas no caminho, mas essa é a forma mais simplista de ver. Enfim, ele te atrasava. Se é isso o que acontecia, então deixe a dor reinar por um tempo, afinal, você perdeu uma pessoa que dividiu vários momentos, mas não a deixe que reine demais.

Enfim, há sempre o: ele me traiu e agora? Você não se acha suficiente. É o primeiro pensamento. Você não basta porque ele te traiu com alguém mais bonita e… Pare bem aí! Você definitivamente não é o problema. Por que não troca seus pensamentos?

A culpa é inteiramente dele. Ele sempre soube que esteve em um relacionamento, sempre soube que deveria confiança e respeito a você. Caso venha se sentir para baixo, está em seu direito. Deite um pouco, faça um chá ou café, assista seu seriado preferido.

Sinta a dor, mas não a segure por muito tempo, deixe-a ir. É importante que não impeça a dor de ficar por um tempo – bati muito nessa tecla -, é essencial que você a entenda, porque está ali e depois, se livre dela. Acredito fielmente que todos os sentimentos foram feitos para serem sentidos (redundante, não?), da forma mais intensa possível.

Com tudo isso que disse, talvez você pense “ainda me sinto mal”. Entendo. Ainda existe aquela dor na boca do estômago e quando vê um casal na rua, a vontade de chorar só aumenta, não é? Se você estiver vasculhando seu celular em busca de alguma foto antiga, opa! Lá está vocês naquele barzinho que gostavam.

Então, você vai se olhar no espelho e pensar que tudo vai por água abaixo porque quando se está com alguém, você se sente mais bonita, até mesmo mais confiante. Você se sente feliz. E a sua felicidade está sempre atrelada com sua autoestima.

Uma pessoa feliz, de verdade, é aquela pessoa que está bem consigo mesma, que se aceita e que se ama e tudo isso – toda essa verdade construída ano após ano – parece se dissipar com o fim de um relacionamento.

A verdade é que, de novo, você não pode ver o fim do relacionamento como o fim de uma estrada, mas o momento de bifurcações. De novas estradas. Siga adiante, escolha uma. Como dito, a dor vai ficar por algum momento, mas você precisa deixa-la ir e quando esse momento chegar, você precisa reconstruir quem você é e voltar a se amar porque amar outra pessoa nunca deve estar acima de amar a si mesma.

Não pense nisso como o fim de uma temporada, mas um momento de escolhas e agora, escolha você!

Se, por ventura, sua autoestima estiver, sim, lá embaixo por causa desse relacionamento. Então, vamos tentar fazer com que ela volte a ser como fora antes. Não é o caso de passos que você precise seguir, ou de lições que deva tomar todos os dias. Talvez dure semanas, talvez anos. O mais importante é que tenha paciência consigo mesmo, tudo bem?

Entenda que sua autoestima é como um eterno castelo que sempre vai querer se reinventar. Sempre vai querer trocar a pintura das paredes ou mudar aquele sofá antigo. Você deve mudar com ela, não é? Não vai ser rápido.

Nem mesmo fácil. Sua autoestima vai ser aquela lagartixa se transformando em uma linda borboleta. Comece por coisas pequenas: compre aquela calça que você queria comprar há meses. Não tem dinheiro? Tudo bem. Assista seu filme preferido, ria ou chore. Então, aproveite sua própria presença. Seja você a sua companhia preferida. Vá ao cinema sozinha.

E vá arrumada. Ou não. Só se olhe no espelho e pense “eu não poderia estar melhor”. Tem uma foto bonita que nunca postou? Poste-a. Mostre para si mesma que nunca vai existir uma mulher tão incrível quanto aquela. Ao final, seja você e apaixone-se por si mesma.

A autoestima é algo que nunca deveria ser menosprezado por um relacionamento ou o fim dele. Estar em um é, sem dúvida, incrível. Mas entender qual o momento em que ele está te afetando a ponto de diminuir sua autoestima, é tão importante quanto estar feliz dentro dele. Aumentar a autoestima – não vai ser tão rápido – nem fácil – mas vai ser a própria metamorfose de uma lagartixa

 

Clique Aqui para Deixar um Comentário Abaixo 0 comentários

Deixe uma Resposta: