O que fazer se não gosto de fetiche?

O que fazer se não gosto de fetiche?
Avalie esse artigo

Depois de muito procurar, você finalmente encontrou um cara que parecia perfeito… Até que ele faz uma revelação que, na sua opinião, é chocante: ele tem um fetiche. E, apesar de você não se considerar uma freira, a coisa mais ousada que experimentou foi um sexo anal. Você deve estar pensando: “mas Cátia, eu não gosto de fetiches, como eu posso mudar isso? Meu relacionamento está fadado ao fracasso?”. É claro que não! Eu vou explicar um pouco sobre os fetiches para que você entenda que não há nada de errado com essa prática e como você pode obter muito prazer através dela. Ficou curiosa? Então leia o texto até o final.

O que são fetiches?

O fetichismo, ou fetiche sexual, é uma prática através da qual uma pessoa obtém excitação ou orgasmo através de um objeto, talismã ou parte particular do corpo. Apesar do nome ser um pouco intimidante, o fetichismo sexual é considerado uma prática inofensiva, exceto em casos em que o desejo de uma pessoa provoque mal-estar significativo para ela ou ao parceiro.

Os fetiches tornaram-se mais naturais entre os amantes que desejam evitar a rotina sexual. Pode ser usado como uma “ferramenta” para mudar certas questões que se tornam aborrecidas ao longo do tempo. Além disso, é um comportamento que permite que certos casais que não gostam de sua sexualidade atual alcancem satisfação de forma diferente.

Qual o limite do fetiche?

Não há limites! Uma pessoa pode se sentir atraído por qualquer coisa, tudo pode ser um objeto de fascínio, adulação e excitação… O mais comum é sentir atração por materiais como roupas de látex ou rendas, saias e cuecas. Uma pessoa também pode ter fetiches por algumas partes do corpo como as pernas, seios ou as costas. Há mesmo pessoas que sentem esse tipo de fascínio por mulheres grávidas, idosas…

Por que tantas pessoas evitam falar sobre o tema?

Nos últimos anos, o fetichismo está associado à parafilia (desvio ou perversão sexual) e, portanto, associado a distúrbios mentais. Assim, consideramos, de forma equivocada que é algo perverso, um tabu, algo imoral e fora da normalidade. Quantas vezes você leu a palavra ” estranho” antes ou depois da frase “fetiche sexual”? Embora muitas pessoas tenham fetiches, a sociedade ainda acredita que elas são pervertidas. Outras pessoas também acreditam que a prática é violenta, pois confundem o fetichismo com sadomasoquismo, porém, são duas práticas distintas.

Eu não gosto de fetiches, o que posso fazer?

Elimine seus preconceitos

Antes de qualquer coisa, você deve eliminar estes preconceitos e medos sobre o desconhecido e se atrever a experimentar. Os seres humanos têm uma tendência a pensar: eu não gosto de fetiches, mas se eu provar e gostar, vou me tornar uma doente? E se eu começar, eu não posso parar? O que eles vão pensar de mim? Eu me tornei uma pervertida?

Você é a responsável pela sua própria vida, por isso, pare de pensar sobre o que os outros vão dizer ou pensar. Até porque ninguém precisa saber o que acontece entre quatro paredes. Experimentar coisas novas também não tornará você uma pervertida. Apenas relaxe e desfrute.

Mantenha a sua mente aberta

Os fetiches são mais comuns do que você pensa, por isso, ter prazer com determinado objeto, por exemplo, não é estranho. Graças à televisão e à Internet, podemos encontrar os gostos sexuais diferentes nas pessoas mais normais.

O que há dez anos causaria um escândalo, agora é aceitável. A definição do que constitui um fetiche “normal” é completamente subjetiva. Se você e seu parceiro sentirem prazer,  então, qual é o problema?

Descubra quais são os seus limites

Muitas pessoas não têm problemas em  limitar os movimentos do corpo, mas a coisa muda completamente se elas forem algemadas a cama e tiverem os olhos vendados. Você precisa saber até onde você quer ir com esse fetiche e o quanto você está disposta a experimentar.

Descubra o seu próprio fetiche

Só porque o seu companheiro é fetichista, isso não significa que você só precisa satisfazer os desejos sexuais dele. Pergunte a si mesma: o que te excita? Ele pode ter um fetiche por pés, mas você pode ficar sexualmente ligada quando ele está vestindo uma determinada peça de roupa ou até mesmo uma fantasia. Se você encontrar uma maneira de tornar isso excitante para ambos, será uma vitória.

Como ter prazer na prática?

É claro que todas queremos satisfazer nossos parceiro, se abrirmos nossa mente e introduzirmos os fetiches na nossa relação, poderemos ter muitos benefícios. Veja alguns deles:

Experimentar coisas novas

Na sua infância, quando sua mãe pedia para você provar algo novo, provavelmente você respondia que não queria porque não gostava. Certamente sua mãe responderia o mesmo que a minha “como você sabe que não gosta, se nunca provou?”. Com o sexo acontece a mesma coisa. Você não pode dizer que não gosta de fetichismo se nunca experimentou.

Ser mimada de maneiras diferentes

Um fetichista irá te mimar como você nunca foi antes. Ele pode, por exemplo, lamber os pés ou te dar roupas de couro como recordação. Você receberá atenções e presentes diferentes e originais.

A vida sexual sempre será interessante

Em geral, os fetichistas são pessoas criativas, então, com uma pessoa como essa ao seu lado, sua vida sexual dificilmente se tornará chata, justamente o contrário!

Cria uma conexão íntima

Conseguir uma intimidade real com outras pessoas pode ser difícil às vezes. Porém, quando alguém se abre e é encorajado a compartilhar seu fetiche com você, estará criando uma conexão mais íntima.

É libertador

Confesse (ao menos para si mesma): você também tem gostos e manias no sexo. E estar com alguém que tem gostos e hobbies mais estranhos que seu é libertador, porque abre a porta para que você expresse seus gostos e desejos mais abertamente, sem medo ou constrangimento.

Os fetichistas são mais tolerantes

Os fetichistas, por seus próprios gostos e preferências, são mais tolerantes com os gostos e preferências dos outros. E eles estão mais abertos para tentar coisas novas também.

Eu não gosto de fetiches, mas posso experimentar

Lembre-se: você não é obrigada a fazer nada se não estiver confortável. Converse com o seu parceiro e explique seu ponto de vista e como vocês podem fazer para que ambos fiquem satisfeitos.

Porém, se só o preconceito te impede, por que não tentar superá-lo e tentar coisas novas? Podemos viver e desfrutar de nossa sexualidade de forma livre e sem medo. Tentar coisas novas enriquece o relacionamento e dá a oportunidade de descobrir a nós mesmas e nossa capacidade de dar e receber prazer.

 

Clique Aqui para Deixar um Comentário Abaixo 0 comentários

Deixe uma Resposta: