Porque é tão dificil aceitar o fim do relacionamento e partir pra outra conquista?

Porque é tão dificil aceitar o fim do relacionamento e partir pra outra conquista?
Avalie esse artigo

Claro que quem começa um relacionamento quer que dê certo. Poucas são as pessoas que, de verdade, entram querendo sair. A maioria torce para que os sentimentos bons cresçam e que esse encontro sirva como motivo de grande felicidade.

E que bom que seja assim, senão, nem faria sentido. Mas o fato é que relacionamento dá trabalho. Exige atenção, dedicação, maturidade, disponibilidade, flexibilidade, conciliação, revisão de valores, crenças e escolhas. Enfim, é uma área da vida como qualquer outra. E se você quer que dê certo, tem de investir.

Assim é que se faz com áreas como a profissional, familiar, saúde, espiritual, financeira, entre outras. A única diferença, talvez, é que poucas ou nenhuma outra nos cause tantas dúvidas e medos, assim como desperte intensidades e rompantes das quais nem nós mesmos nos sabíamos capazes.

É o amor… e o amor é um convite que a vida nos faz como uma oportunidade para evoluirmos. Só que nem sempre conseguimos aceitar os desafios que chegam com esse convite

Ver também: Não consigo desapegar do meu ex, como tê-lo de volta?

Um desses desafios se trata do fim

Como aceitar que acabou? Como saber se é mesmo a hora de desistir? Como desapegar e compreender, de uma vez por todas, que a evolução também está no ato de deixar o outro ir embora?

De forma alguma, quero deixar parecer que sou a favor da separação sem que absolutamente tudo de saudável e respeitoso tenha sido tentado para salvar a relação.

Terminar um casamento ou qualquer relacionamento significativo é mesmo muito doloroso e frustrante. É realmente muito difícil e penoso passar por esse processo.

Portanto, que o fim se dê por uma razão que o valha. E que razão é essa? Bem, cada um terá a sua, sem dúvida. Para o amor, não existem cartilhas ou manual de regras. No entanto, penso que o fim se justifica por aquilo que falta na relação e que é imprescindível para um dos envolvidos ou para os dois. E isso muda de pessoa para pessoa.

O que é imprescindível para você pode não ser para mim. E vice-versa. Isso pode ser diálogo, romantismo, sexo, confiança, fidelidade, vida social, aceitação da família, participação da mesma religião, dinheiro, entre muitos outros motivos. E não tem essa de ser certo ou errado. Certo é o que dá certo.

E errado é o que dá errado. Simples assim. Uma questão de valores, preferências e crenças. Apenas precisamos cuidar para não nos sabotarmos e nem nos perdermos do que realmente importa. Mas isso é uma questão de coragem e autoconhecimento.

And I wake up alone…”. Pois é. Amy Whinehouse sabia das coisas. Quando a gente termina um relacionamento, a sensação de pedaço faltante e vida sem sentido são completamente normais. E no fim é até saudável passar por tudo isso. Não que seja fácil, mas viver nesse luto eterno e se recusar a aceitar o fim é como ficar dando tiros no próprios pés.

Se pra você ta ruim e complicado demais, siga lendo as dicas deste post: A vida e as perdas Para o bem ou para o mal, a vida é feita de perdas. Acontece que não é algo que nos ensinam na escola.

E com isso, não aprendemos a lidar direito com o fim de alguma coisa, com mudanças, com perdas… Tudo isso causa medo e gera ansiedade em todo mundo, e é normal.

Entretanto, quando sofremos com a morte de alguém, por exemplo, indiretamente nos tornamos mais forte. Isso serve também pra quando somos recusados em ofertas de emprego, quando tomamos algum fora ou quando nosso relacionamento chega ao fim.

Não são situações agradáveis, mas são fatos que ocorrem todos os dias e com milhares de pessoa. O mundo não vai parar de girar só porque sua relação acabou. A dor da perda X A dor de não ter a pessoa ao lado São coisas diferentes, sabia? Na maioria dos casos em que os homens matam suas ex-parceiras, eles não o fazem porque sentem saudades da mulher ao lado deles.

O que ocorre é que eles não conseguiram lidar com o fato de serem rejeitados e de terem perdido a mulher que, teoricamente, amavam. Na verdade, ‘perder’ é um verbo engraçado.

Acredito que ele não deveria ser usado pra falar disso. -> Como sobreviver a dor de uma perda E eu explico: não tem como perder alguém que nunca foi seu! As pessoas não são objetos passíveis de perda. Todos nós temos liberdade para amar quem quisermos. E isso nos deixa igualmente livres pra quando quisermos partir.

Entenda que você nunca foi dono e nem pertenceu a ninguém. Pra superar essa fase: Sim, a gente entende que é difícil. Quando uma relação acaba, ainda mais se a decisão partir do outro, nosso estado emocional vira um caos.

Nosso ego não consegue entender porque não mais agradamos ao outro. Pela nossa mente surgem perguntas e reflexões do tipo “onde foi que eu errei?” e “não sou bom(a) o suficiente pra ela(e)?”

– Procure não ficar se culpando ou tentando achar algum culpado. Aceite que simplesmente acabou.

Dificilmente alguma coisa dura pra sempre.

– Não se dê o trabalho de ficar perseguindo a pessoa e insistindo pra que vocês voltem. Isso só piora tudo e anula seu amor-próprio.

– Use o tempo como seu aliado. Conheça-se melhor, mude de vida, invista em você. Essas horas são perfeitas pra quem estava se sentindo meio perdido e sem identidade devido ao relacionamento.

Mulheres podem demorar mais pra sair dessa fase.

Não que os homens não valorizassem o relacionamento que tinham, mas porque eles acham mais fácil seguir em frente. Já a maioria das mulheres ainda crê naquele ideal romântico de que envelhecer com o cara e depois se encontrarem na eternidade. Apesar disso tudo, saiba que você será sim capaz de amar novamente e até com mais intensidade do que antes.

Por que é tão difícil superar o fim?

Porque odiamos admitir a nós mesmos que a vida não é um conto de fadas. O mundo, assim como as pessoas e os relacionamentos, são imperfeitos. Admita pra si mesmo isso e você verá como será mais fácil conviver com as pessoas aceitando que a perfeição é utópica demais para nos basearmos apenas nelas.

Outras formas de ajuda Se ainda assim você sentir que está difícil ‘sair da bad’, procure ajuda. Terapias podem ser bastante proveitosas pra quem está disposto a adquirir um novo olhar sobre si e sobre o mundo. Tente fazer atividades novas e que te façam conhecer pessoas diferentes.

Lembre-se da frase mais clichê (e mais verdadeira) possível: tudo passa. Agora está ruim, mas daqui algum tempo você vai ver que aprendeu alguma coisa com tudo isso.

 

Clique Aqui para Deixar um Comentário Abaixo 0 comentários

Deixe uma Resposta: