Seu namorado é muito bom, mas também abusivo. O que fazer?

Seu namorado é muito bom, mas também abusivo. O que fazer?
5 (100%) 1 vote

Sabe, às vezes quando a gente fala que um cara é abusivo, cria-se a ideia de que ele é uma pessoa horrível. Desenhamos na nossa mente um cara grosseiro, ignorante, bem típico do homem da idade da pedra. Um Brutus moderno. Acho que isso é normal.

Afinal, esse cara abusivo é o que tanto odiamos e reclamamos, achando absurdo o que nos fazem. E, além disso, muitas vezes até tentamos entender como uma mulher aguenta, ou se permite viver nessa situação.

Acontece que ele é assim também, mas não apenas. Vamos ser sinceras: quem de nós, pensando bem, não encontrou por aí um cara que era legal, até gostava da gente, mas que tinha atitudes abusivas?

Lembra? Aquele cara que quando brigava com você, te colocava para baixo, tentava te inferiorizar, se sentir menor, mas que quando estava feliz era só carinhos?

Ver também: Razões para não desistir do seu relacionamento e reconquistá-lo agora mesmo!

Ele é gente boa E ABUSIVO

Tenho duas coisas muito sérias para falar. A primeira é que precisamos parar de achar que a mulher que se encontra num relacionamento abusivo é uma coitada, ou uma fraca.

Nós, mulheres, até podemos prestar solidariedade. Nós costumamos achar que pessoas que convivem em situações assim têm alguma dificuldade emocional, insegurança ou ainda baixa autoestima. Talvez não tenham lá uma profissão que as realizem, ou bons amigos e familiares que as amem.

Até podemos chegar a achar, lá no fundinho do nosso inconsciente, que essa mulher não teve outros relacionamentos, nunca foi amada e não sabe se impor. Essa é a primeira coisa que preciso dizer para vocês porque isso está errado.

Não digo que esteja completamente errado, mas se a gente acha que são apenas essas mulheres que estão vivendo um relacionamento abusivo, a gente acaba abrindo a guarda para acontecer conosco.

“Como assim? Comigo nunca aconteceria. Eu não ia deixar. Eu não ia aguentar. Eu nunca iria permitir.”

Nós somos fortes, somos donas de nós mesmas, mas estamos tão expostas quanto qualquer outra mulher. E se a gente não entender isso hoje, vai ficar ainda mais difícil reconhecer quando estivermos num relacionamento abusivo.

E depois, quando a gente perceber, e se perceber, vamos ter muita vergonha de contar. Vamos ter muita vergonha de termos vivido isso. Porque nós temos julgado essas mulheres de forma errada. E nós nos julgamos, também, de forma errada, como se estivéssemos totalmente salvas disso.

Te faço uma pergunta: você nunca esteve com alguém que seus amigos não gostavam? Ou que sua família não era lá muito fã? Ou ainda que você soubesse que fazia coisas erradas? Sabe o que a gente faz quando estamos emocionalmente envolvidas? A GENTE FECHA OS OLHOS. Sabe, releva.

Então, se um amigo não gosta do cara, a gente diz que ele não o conhece. Se sua mãe diz que ele não vale nada, a gente acha um absurdo. Se alguém diz que ele não te trata bem, a gente diz que essa pessoa não sabe de nada.

E MESMO que a gente não fale essas coisas, a gente as pensa. E pensamos porque achamos que NÓS sabemos tudo, e porque estamos emocionalmente envolvidas. Pronto?

Pronto

E olha que estou falando de relacionamentos no geral, não necessariamente de um abusivo. Tô falando daquele cara que não te atendia ou o que só aparecia quando queria se divertir na sexta-feira. Ou daquele que nunca te apresentava aos amigos, e você vivia dando chances.

Não vou dizer se é certo ou errado isso de pensar com a própria cabeça. Acho que é importante. Mas o perigo é achar que só nós sabemos mais. enquanto todos os outros é que estão errados. Minha sugestão é, se pessoas com as quais você se importa e que se importa com você estão falando… coloque em dúvida.

Tenho um segundo ponto. Pode existir casos em que seus amigos, sua família e até mesmo você ache que a pessoa é muito gente boa. Ele pensa em você, (e/ou) te dá atenção, (e/ou) te mima, (e/ou) você sente que ele gosta de você, (E/OU) quinhentas outras coisas.

Enfim, no geral, ele é um cara legal. Só que sabe esse cara? Ele pode ser abusivo. E sim, talvez nem ele saiba disso. Afinal, outro erro frequente é achar que todo cara abusivo acorda de manhã e diz “oi,serei abusivo hoje com minha namorada/ficante/esposa/peguete“. Ou ainda que ele sinta prazer nisso e seja um sádico que gosta de te fazer sofrer.

Não! Talvez ele nunca tenha sido abusivo antes (ok, isso é um pouco mais difícil), mas pode ser. Nem todo cara que é escroto sabe que é escroto. Nem todo mundo que é idiota sabe que é idiota. Aliás, na verdade, dificilmente as pessoas sabem.

Ainda temos dificuldade de entender o que seria abusivo

E digo logo: mulheres também podem ser abusivas. Emocionalmente exploradoras, emocionalmente venenosas. Mas, no geral, os homens são mais do que as mulheres.

Primeiro porque muitas vezes eles nunca conheceram limites. Foram mimados, acreditaram que podiam tudo e que todos deviam alguma coisa a eles. Triste, né? Mas é verdade.

Homens, se vocês estão lendo, me deixem falar uma coisa: não estou colocando vocês num paredão e fuzilando um a um. Vejam isso como uma oportunidade de entender que vocês podem estar fazendo mal para alguém que amam/gostam/se importam. Ou acham isso, pelo menos.

Um relacionamento abusivo é aquele que extrapola o limite do saudável. Te faz mais mal do que bem. Ou seja, ele te impõe as vontades dele, as opiniões, os eventos, os quereres. E não é aquela coisa normal de relação que abrimos mão de uma coisa ou de outra, que tentamos nos adaptar e fazer algo um pelo o outro.

Tô falando daquela situação em que você sempre está errada, e ele está sempre certo. Que você não sabe fazer nada, ele sabe fazer tudo. Que você não sabe fazer nada, ele sabe fazer tudo. Que você não sabe pensar, mas ele sabe.

Que você precisa dele pra respirar, pra comer, pra andar (ou ele quer que você acredite nisso). Ele te deixa pequenininha. Situações em que ele te machuca, verbalmente ou fisicamente, e depois se desculpa, mas volta a fazer em outra oportunidade.

Quando tudo que ele faz tem justificativa (mesmo sem lógica alguma), e é impossível fazê-lo entender o seu ponto. Leve em conta que esses exemplos que te dei não se excluem, e nem precisam estar juntos. Um deles já está sendo abusivo.

E talvez o cara não seja um escroto, mas esteja sendo escroto

Preciso dizer que você precisa se escutar. Se você acha, lá no seu coração, que tem alguma coisa errada com a maneira que ele te tratou. Ou ainda achar que teve alguma coisa errada naquela vez que você negou alguma coisa e ele a fez mesmo assim, ou naquela que ele fez um ataque, te menosprezou, humilhou ou diminuiu porque você não fez o que ele queria.

Se você achar que ele está sendo abusivo, tem grandes chances de que ele realmente esteja sendo. Você não é uma pessoa ruim se percebe vendo aquele cara legal, na verdade, não é tão legal assim.

Você não tem que aceitar tudo, nem mesmo quando ele vai criar caso se você disser não. Ele não é um sofredor porque “aguenta” as coisas que você pede ou que “aguenta” aquilo que você acredita.

Eu tenho uma teoria. Essa, não vou conseguir afirmar, mas fica a reflexão. Pra mim, os caras que têm atitudes abusivas são aqueles que são inseguros ou emocionalmente instáveis. Eles precisam impor suas vontades para se sentirem mais seguros e poderosos.

Eles, inclusive, podem fazer da vida da uma mulher um inferno com brigas bobas, intermináveis, constantes. Tentarão (e poderão conseguir) abalar sua confiança e identidade, te excluindo de amigos e colocando em dúvida o que as pessoas pensam de você, e se são verdadeiras ou não.

Podem até se colocar como vítima. E se afirmarão como a única pessoa viável que você tenha. A única pessoa em que você possa confiar. A única pessoa a recorrer.

E aí está o grande perigo. Se não soubermos identificar, reconhecer que estamos num relacionamento assim, talvez a gente nunca vá contar aos nossos amigos o que estamos vivendo. Porque não saberemos. Porque, na nossa cabeça, relacionamentos abusivos são sempre com aqueles caras escrotos que ameaçam bater nas mulheres ou que são malucos, sádicos ou excessivamente ciumentos.

 

Clique Aqui para Deixar um Comentário Abaixo 0 comentários

Deixe uma Resposta: