Tenho medo de reconquistar um grande amor, será que vale à pena?

Tenho medo de reconquistar um grande amor, será que vale à pena?
Avalie esse artigo

Às vezes olhando para o nosso passado nos perguntamos se será possível reviver uma grande paixão. Pegamos-nos pensando que talvez se nossas atitudes tivessem sido outras, as coisas não teriam terminado do jeito que terminaram.

Na vida somos muito corajosos em relação a algumas coisas, mas será que somos corajosos o suficiente para perdoar os erros passados e reviver uma grande paixão?

A imagem dele não sai da sua cabeça. O relacionamento já acabou há um tempo e ainda assim você pensa que não há ninguém como ele. O grande amor da sua vida passou e agora só lhe resta as lembranças.

A cada dia que passa você só imagina uma coisa: voltar para ele e reviver a sua história de amor, mas o medo sempre aparece: será se vale à pena retornar o que ficou no passado?

Não somos donos do destino e muito menos podemos prever o que vai acontecer na sua vida, no entanto, podemos te ajudar para que você decida se o melhor a fazer é voltar para ele ou seguir em frente

Ver também: Quero reconquistá-lo: o que pode está fazendo ele desistir de você?

Em relação a nós

Todos nós queremos ser felizes. Não devemos então ser cruéis ao ponto de não nos permitir realizar nossos sonhos e sermos felizes. Devemos pensar se essa segunda chance fará bem para gente, se não nos trará mais dor e sofrimento.

Há certas partes na vida em que devemos sim ser um pouco egoístas, mas visto que a primeira vez fracassou, a segunda tem que ser diferente, nós em primeiro lugar. Devemos sempre aprender com os relacionamentos e adquirir maturidade para poder saber lidar com os próximos.

Em relação ao outro

Antes de resolver dar uma segunda chance devemos analisar como foi da ultima vez, os prós e os contras da antiga relação, saber analisar se dessa vez pode dar frutos e ver se vale a pena mais uma investida. Visto que dessa vez entraremos em um relacionamento com uma pessoa que já conhecemos os defeitos, e sabemos mais ou menos o que esperar.

Revivendo uma paixão

Em resumo, reviver uma paixão pode ser bom para os dois, quem sabe o relacionamento não acabou por uma bobagem e devemos sim dar mais uma chance.

Lembre-se um relacionamento deve servir para que os dois estejam bem e se sintam felizes com ele, deve ser mágica, quem sabe uma segunda vez não pode ser melhor que a primeira? Porque não tentar? O pior arrependimento vem daquilo que não fazemos.

Ah, as lembranças… Quando um amor se vai, o primeiro sentimento que fica é o de raiva e você se questiona o porquê de ter terminado, fica indignada com ele e começa a criar mil e umas teorias sobre o motivo do fim.

Depois vem a fase da culpa: eu não deveria ter feito isso, eu deveria ter agido melhor. Mais alguns meses se passam e o que sobra são as lembranças, geralmente as boas.

Em qualquer ser humano é normal lembrar-se dos momentos bons e deixar os maus de lado: você esquece que brigavam muito ou que não tinham compatibilidade.

Nós mulheres temos um pequeno defeito: idealizamos demais. O cara às vezes nem era tudo isso, mas os anos afastados apagaram as safadezas dele e na sua mente ele era o príncipe encantado.

Mas se este não era o caso de vocês e todos o viam como um casal que combinava perfeitamente, fica ainda mais difícil entender o porquê do relacionamento ter ido por água abaixo.

Geralmente o grande amor da nossa vida é aquele primeiro namorado, que te levava no cinema, era carinhoso com você e te dava toda a atenção. Os homens que vieram a seguir não tinham nada disso: tinham manias chatas e não eram tão atenciosos

Mas, lembre-se de uma coisa: a cada novo relacionamento acabamos criando ‘escudos’ e aquele seu primeiro namorado não tinha nada disso, já que provavelmente este era também o começo da vida amorosa dele.

Os vícios de relacionamento são comuns em todos, mas na nossa mente nos esquecemos deste detalhe e nos prendemos em uma imagem de um homem ingênuo que ainda aprendia a amar.

O lado científico do amor do passado

Para não ficarmos apenas no achismo, uma pesquisa americana revelou o seguinte: os ex-namorados que cresceram juntos (ou seja, eram companheiros na adolescência ou na época dos vinte e poucos anos) tem uma chance muito maior de ter um reencontro duradouro do que os outros casais.

Motivo?

Os dois passaram por experiências semelhantes, descobriram várias coisas juntos e criaram a sua personalidade juntos. Dizem até que é durante o período da adolescência que criamos a base para os relacionamentos futuros.

Mas há um porém: este reencontro só dá certo quando o motivo da separação não foi brigas, nem traição. Se os pombinhos se separam por causa da família que era contra ou da distância entre cidades, as chances do amor dar certo são altíssimas.

Com estes dados você já pode começar a pensar se o seu relacionamento se enquadra nestes fatores, no entanto eu tenho que colocar mais um “mas” aqui. A nossa vida não é uma matemática, nós devemos é seguir o coração!

Faça o que o seu coração manda Às vezes temos receio de seguir a nossa intuição e acabar nos machucando. Contudo pense o seguinte: se sem tomar uma atitude você continua sofrendo, então arranque logo esta ferida e enfrente a situação.

Se você realmente acha que ele é o amor da sua vida, ligue para ele e marque um encontro. Se ele já tem outra, converse como amigos. Não crie muito expectativa em cima deste encontro:

Se os anos se passaram ele estará com outra aparência e outras idéias, ninguém fica imune à passagem do tempo e continua com os mesmos pensamentos. A palavra de ordem aqui é: não tenha medo!

Dar uma segunda chance não deve ser visto como fraqueza e sim como uma forma de saber se perdoar e arriscar. A vida é única e você não deve ficar se prendendo a julgamentos ou conselhos de outras pessoas se a sua mente diz para seguir em frente.

 

Clique Aqui para Deixar um Comentário Abaixo 0 comentários

Deixe uma Resposta: